Blog Ourofino

Os melhores conteúdos em Saúde Animal

Impactos das endometrites na eficiência reprodutiva de vacas leiteiras

Reprodução

Terça-feira, 10 de Janeiro de 2017

Por Gabriela Dalmaso, estagiária do departamento Técnico; Bruna Martins Guerreiro, especialista técnica em Saúde Animal; e Bruno Gonzalez de Freitas, especialista técnico em Reprodução Animal

Infecções uterinas como metrites e endometrites são responsáveis por importantes reduções na rentabilidade dos rebanhos leiteiros. Essas enfermidades acarretam reflexos reprodutivos e produtivos, podendo promover aumento no intervalo entre partos, número de serviços por concepção, taxa de descarte e redução na produção de leite (Fourichon et al., 2000; Drillich et al., 2005). Diante desse cenário é importante compreender os mecanismos envolvidos no desenvolvimento dessas patologias e a forma mais eficiente de tratamento.

A contaminação uterina ocorre frequentemente no momento do parto ou nos dias subsequentes (puerpério). Isso é inevitável devido ao comprometimento de barreiras físicas e da redução da função imune, sendo comum que 80 a 100% dos animais apresentem bactérias no lúmen uterino nas primeiras duas semanas após o parto (Sheldon et al., 2006). No entanto, os agentes devem ser eliminados durante o processo de involução natural do útero. Caso não aconteça, o ambiente uterino é comprometido, resultando no estabelecimento de diferentes quadros de infecções uterinas.

Nesse contexto, muitas fêmeas são capazes de driblar os efeitos dos agentes bacterianos, mas pelo menos 20% acabam desenvolvendo infecção cerca de 20 dias após o parto (Walsh et al., 2011). Essa enfermidade não afeta apenas o útero da fêmea, é capaz também de alterar a função ovariana, do hipotálamo e da hipófise. Além do comprometimento do bem-estar, as infecções uterinas podem levar ao desenvolvimento de subfertilidade ou infertilidade dos animais (Sheldon e Dobson, 2004; Sheldon et al., 2009).

Endometrites são inflamações que envolvem apenas o endométrio uterino sem desencadear sinais clínicos sistêmicos e podem ser classificadas como clínica ou subclínica. A endometrite clínica é caracterizada pela presença de conteúdo uterino purulento ou mucopurulento detectável na vagina 21 dias após o parto. Já na endometrite subclínica não são verificados sinais clínicos, sendo necessário realizar citologia uterina para verificar as alterações celulares no endométrio (Sheldon et al., 2008).

Tratando-se do desempenho reprodutivo, endometrites estão associadas à subfertilidade e à infertilidade das fêmeas. Estudos sugerem que vacas com endometrite clínica apresentam atraso na retomada da ciclicidade ovariana após o parto (Opsomer et al., 2000). Fourichon et al. (2000) verificaram que a endometrite aumenta os dias abertos em até 15 dias e reduz o risco de prenhez em até 150 dias após o parto. Dados na literatura mostram que as inflamações subclínicas também são capazes de interferir no desenvolvimento embrionário (Hill et al., 2008), reduzir a capacidade de fertilização (Cerri et al., 2009), refletindo diretamente nas taxas de prenhez e no intervalo entre partos (Kasimanickam et al., 2004; Gilbert et al., 2005; Rutigliano et al., 2008).

A produtividade das propriedades leiteiras está diretamente associada à eficiência reprodutiva do rebanho. Diante disso, é extremamente importante que o endométrio esteja saudável para estabelecer e suportar uma gestação. Para isso, protocolos de tratamento efetivos devem ser utilizados.

Os prejuízos ocasionados pelas infecções uterinas podem ser minimizados através da utilização das soluções de tratamentos Maxicam 2% e Lactofur da Ourofino Saúde Animal.

 

 

Referências

BARLUND, C. S., T. D. CARRUNTHERS, C. L. WALDNER, and C. W. PALMER. A comparison of diagnostic techniques for postpartum endometritis in dairy cattle. Theriogenology 69:714–723. 2008

CERRI, R. L. A.; RUTIGLIANO, H. M.; LIMA, F. F.; ARAÚJO, D. B.; SANTOS, J. E. P; Effect of source of supplemental selenium on uterine health and embryo quality in high-producing dairy cows. Theriogenology 71: 1127-1137. 2009.

DRILLICH, M.; DAMARIS, R.; MIRIAM, W. et al. Treatment of chronic endometritis in dairy cows with an intrauterine application of enzymes: A field trial. Theriogenology, v.63, p.1811-1823, 2005

FOURICHON, C.; SEEGERS, H.; MAHLER, X. Effect of diseases on reproduction in the dairy cow: a meta-analysis. Theriogenology, v.53, p.1729-1759, 2000.

GILBERT, R.O; SHIN, S.T; GUARD, C.L; ERB, H.N.; FRAJBLAT, M. Prevalence of endometritis and its effects on reproductive performance of dairy cows. Theriogenology ;64:1879–88.2005

KASIMANICKAM, R, DUFFIELD T, FOSTER R, GARTLEY C, LESLIE K, WALTON J, et al. Endometrial cytology and ultrasonography for the detection of subclinical endometritis in postpartum dairy cows. Theriogenology 2004;62:9–23.

OPSOMER, G.; GRÖHN, Y. T.;  HERTL, J.; CORYN, M.;  DELUYKER, H.; KRUIF, A.  Risk factors for postpartum ovarian dysfunction in high producing dairy cows in Belgium: a field study. Theriogenology, 53, pp. 841–857. 2000

RADOSTITS, O. M., BLOOD D.C. & GAY, C.C. Clínica Veterinária. Um tratado de doenças dos bovinos, ovinos, suínos, caprinos e equinos. 9 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.1737 p. 2002.

RUTIGLIANO HM, LIMA FS, CERRI RLA, GRECO LF, VILELA JM, MAGALHÃES V, et al. Effects of method of presynchronization and source of selenium on uterine health and reproduction in dairy cows. J Dairy Sci 2008;91:3323–36.

SHELDON I.M., DOBSON H. Postpartum uterine health in cattle. Animal Reproduction Science 64, 295-306. (2004)

SHELDON, I.M., LEWIS, G.S., LEBLANC, S., GILBERT, R.O. Defining postpartum uterine disease in cattle. Theriogenology 65, 1516–1530. 2006

SHELDON, I. M.; WILLIAMS, E. J.; MILLER, A. N. A.; NASH, D. M.; HERATH, N. S. Uterine diseases in cattle after parturition. The Veterinary Journal, 176: 115-121. 2008.

SHELDON, I. M.; CRONIN, J.; GOETZE, L.; DONOFRIO, G.; SCHUBERTH, H. J. Defining Postpartum Uterine Disease and the Mechanisms of Infection and Immunity in the Female Reproductive Tract in Cattle. Biol Reprod 81: 1025-1032. 2009

STEVENSON, J. S. & CALL, E. P. Reproductive disorders in the periparturient dairy cow. Journal of Dairy Science. 71, 2572-2583. 1987

WALSH, S. W.; WILLIAMS, E. J.; EVANS, A. C. O. A review of the causes of poor fertility in high milk producing dairy cows. Animal Reproduction Science 123, 127-138. 2011

 

Sobre os autores

Gabriela Dalmaso de Melo é graduanda do 5º ano de Medicina Veterinária pela Unesp, campus de Jaboticabal (SP).

Bruna Martins Guerreiro é médica-veterinária formada pela UNESP, campus de Jaboticabal e mestre em Reprodução Animal pela Universidade de São Paulo FMVZ/USP.

Bruno Gonzalez de Freitas é médico-veterinário formado pela FMVZ/USP e mestre em reprodução animal pelo departamento de Reprodução Animal da FMVZ/USP.

Compartilhe esta notícia:

Deixe o seu comentário

Confira outros posts

Uso de prostaglandina (PGF2α) no tratamento de endometrite puerperal de vacas de leite

As alterações metabólicas e endócrinas ocorridas no pós-parto de vacas de leite são destacadas como fatores de risco para doenças uterinas. Nessa fase, o balanço energético negativo, alterações drásticas nos níveis de esteróides (P4 e E2) e elevação dos níveis ...

Confira