Blog Ourofino

Os melhores conteúdos em Saúde Animal

Sincro eCG: ferramenta para melhorar os resultados da IATF

Reprodução

Segunda-feira, 06 de Fevereiro de 2017

Por Rodrigo Prandini Reis, Bruno Freitas e Bruna Guerreiro, do departamento técnico da Ourofino Saúde Animal

A gonadotrofina coriônica equina (eCG) é um hormônio glicoproteico produzido pelos cálices endometriais de éguas. Por se ligar aos receptores de FSH e LH dos folículos e aos receptores de LH do corpo lúteo, a eCG leva ao maior crescimento do folículo, resultando em maior taxa de ovulação (Baruselli et al., 2008).

Justamente por tais características, a eCG vem sendo utilizada em protocolos de inseminação artificial em tempo fixo (IATF) como alternativa para animais que apresentam comprometimento na liberação pulsátil de LH, de acordo com Baruselli et al. 2012, para estimular o desenvolvimento final do folículo (crescimento folicular da luteólise à ovulação) e aumentar a taxa de prenhez. Desta maneira, a eCG pode contribuir para o sucesso dos protocolos de IATF utilizados em fêmeas bovinas, aumentando a produtividade do rebanho e proporcionando consequentemente um maior ganho para o produtor.

A relevância da utilização da eCG nos protocolos de IATF se deve ao fato de que ela tem efeito positivo em rebanhos com baixas taxas de ciclicidade, em animais recém paridos, em animais com condição corporal baixa e em animais que apresentam comprometimento no crescimento do folículo dominante devido aos altos níveis de progesterona (Baruselli et al., 2004). Então, para otimizar a eficiência reprodutiva dos protocolos de IATF, 200 a 500 unidades internacionais (UI) de eCG podem ser administradas no momento da retirada do dispositivo de progesterona, sendo que o resultado será a melhora nas taxas de crescimento folicular, ovulação, concepção e prenhez (Mello et al, 2014).

Diversos estudos comparativos (grupo de animais tratados com eCG e grupo de animais sem tratamento com eCG) evidenciam os efeitos positivos do uso da gonadotrofina coriônica equina. Em um estudo conduzido por Baruselli et al. (2003), verificou-se melhores taxas de prenhez em animais em anestro que receberam eCG. Os resultados do estudo estão dispostos na tabela (1) a seguir:

Tabela 1: Taxa de prenhez à inseminação artificial em tempo fixo conforme classificação da funcionalidade ovariana de vacas Nelore lactantes tratadas com dispositivo intravaginal de progesterona (DP4) associado ou não ao tratamento com eCG na retirada do dispositivo (Dia 8). Adaptado de Baruselli et. Al, 2003.

 

Em outro estudo, conduzindo por Ayres et al. (2007), verificou-se melhora nas taxas de concepção dos animais principalmente em fêmeas com baixo escore de condição corporal (ECC < 3) no período pós parto precoce, o que diminui o intervalo entre partos. Os resultados do estudo estão expressos no gráfico (1) a seguir:

Gráfico 1:Distribuição da taxa de concepção conforme período pós parto, escore de condição corporal e tratamento com eCG. Eixo x: Taxa de concepção; eixo y: período pós parto. Adaptado de Ayres et al., 2007.

 

A Ourofino, visando atender seus clientes, o aperfeiçoamento e progresso no desempenho reprodutivo dos animais, disponibiliza em seu portfólio o Sincro eCG. Este produto consiste em gonadotrofina coriônica equina de uso injetável, com sua eficácia garantida e já comprovada em diferentes experimentos.

Em um destes estudos (Lechinoski et al, SBTE 2016), conduzido em duas fazendas localizadas no Pará (consultor Ourofino responsável: Lussandro Lechinoski) e Mato Grosso (consultor Ourofino responsável: Augusto Felisbino), 635 vacas Nelore com escore de condição corporal < 3,00 foram submetidas a protocolos de IATF. Foram formados dois grupos aleatórios, em um deles administrou-se o Sincro eCG (300 UI de gonadotrofina coriônica equina) no momento da retirada do dispositivo intravaginal e no outro administrou-se, no mesmo momento do protocolo, o Produto A (300 UI de gonadotrofina coriônica equina de outra fabricante). Os resultados obtidos foram analisados e seguem a seguir:

PRODUTO

N

TAXA DE PRENHEZ

Sincro eCG

320

46,3%

Produto A

315

46,2%

        

 

 

 

 

Em outro estudo (Chaves Neto et al., SBTE 2016), conduzido pelo médico-veterinário Antônio Chaves em uma propriedade no estado do Mato Grosso do Sul, 844 vacas Nelore foram aleatoriamente alocadas em três grupos distintos (Grupo Sincro eCG, Produto A e Produto B). Todos os animais foram submetidos ao mesmo protocolo de IATF com a distinção que cada um dos grupos recebeu, no momento da retirada do implante de progesterona, 300 UI de gonadotrofina coriônica equina de uma empresa específica; da Ourofino Saúde Animal (Grupo Sincro eCG), da Empresa A (Produto A) e da Empresa B (Produto B). Os resultados seguem a seguir:

PRODUTO

N

TAXA DE PRENHEZ

Sincro eCG

277

50,9%

Produto A

247

51,4%

Produto B

320

50,6%

 

 

 

 

 

 

 

Portanto, fica claro que não existe diferença nas taxas de prenhez quando da utilização do Sincro eCG e dos demais produtos concorrentes no mercado. Os resultados obtidos em ambos os experimentos mostram que tal índice é semelhante independente do produto. Evidenciando, então, a eficiência do Sincro eCG e sua aplicabilidade na reprodução animal.

        

REFERÊNCIAS

AYRES. H.; MARQUES; M. O.; SILVA, R. C. P.; RODRIGUES, C.A.; FERREIRA, R. M.; BARUSELLI, P. S. Influência do uso de eCG em diferentes períodos pós parto e do escore de condição corporal na taxa de prenhez de vacas nelore inseminadas em tempo fixo. Acta Scienciae Veterinariae. 2007.

Baruselli PS, Jacomini JO, Sales JNS, Crepaldi GA. Importância do emprego da eCG em protocolos de sincronização para IA, TE e SOV em tempo fixo. In: Simpósio Internacional de Reprodução Animal Aplicada, 3, 2008, Londrina, PR. Anais... Londrina: SIRAA, 2008. p.146-167.

Baruselli PS, Madureira EH, Marques MO, Rodrigues CA, Nasser LFT, Silva RCP, Reis EL, Sá Filho MF. Efeito do tratamento com eCG na taxa de concepção de vacas Nelores com diferentes escores de condição corporal inseminadas em tempo fixo (análise retrospectiva). Acta Sci Vet, v.32. p.228, 2004.

Baruselli PS, Sales JNS, Sala RV, Vieira LM, Sá Filho MF. Evolução e perspectivas dos programas de inseminação artificial em tempo fixo no Brasil. XXVI Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Tecnologia de Embriões, Foz do Iguaçu, 2012.

BARUSELLI, P. S.; MARQUES, M. O.; REIS, E. L.; MELLO, J. E.; CAMPOS FILHO, E.P. Taxa de concepção de diferentes protocolos de inseminação artificial em tempo fixo em vacas Bos taurus taurus x Bos taurus indicus durante o período pós-parto. In: Simpósio Internacional de Reprodução Animal, 5., Proceedings, v.1, p.380, 2003.

Chaves Neto, A.F.; Watanabe, B. J. C.; Freitas, B. G.; Ramos, R. S.; Rezende, M. L. G.; Mingoti, R. D.; Bastos, M. R. Avaliação do efeito da administração de três diferentes preparações comerciais de eCG na taxa de prenhez à IATF de vacas da raça nelore. XXX Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Tecnologia de Embriões, Foz do Iguaçu, 2016.

Lechinoski, L. C.; Felisbino Neto, A. R.; Cappelleso, L.; Freitas, B. G.; Ramos, R. S.; Rezende, M. L. G.; Furtado, D. L., Passarin, C.; Guerreiro, B. M.; Bastos, M. R. ECG em vacas nelore: diferentes preparações comerciais e mesmas taxas de prenhez. XXX Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Tecnologia de Embriões, Foz do Iguaçu, 2016.

Mello RRC, Ferreira JE, Mello MRB, Palhano HB. Utilização da gonadotrofina coriônica equina (eCG) em protocolos de sincronização da ovulação para IATF em bovinos: revisão. Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.38, n.3, p.129-134, jul./set. 2014.

SOBRE OS AUTORES

Bruna Martins Guerreiro é médica-veterinária formada pela UNESP, campus de Jaboticabal, e mestre em Reprodução Animal pela Universidade de São Paulo FMVZ/USP.

Bruno Gonzalez de Freitas é médico-veterinário formado pela FMVZ/USP e mestre em reprodução animal pelo departamento de Reprodução Animal da FMVZ/USP.

Rodrigo Prandini Reis é graduando do 9º semestre em medicina-veterinária na FMVZ/UNESP campus Botucatu.

Foto: Allfoto

Compartilhe esta notícia:

Comentários

joão archanjo junior

Segunda-feira, 13 de Fevereiro de 2017

qual o protocolo de iatf da ourofino vacas de leite meio sangue. qual valor, representante na minha região?

Ourofino Saúde Animal

Segunda-feira, 13 de Fevereiro de 2017

Olá, João. Nossa equipe entrará em contato com você para mais informações. Também estamos à disposição pelo 0800 941 2000. Nossos horários de atendimento são de segunda a sexta-feira (exceto feriados), das 8h30 às 17h30. Obrigado por acompanhar o nosso blog.

Bruno Matias Gouvêa

Quinta-feira, 09 de Fevereiro de 2017

Estava lendo essa matéria gostei muito de poder conhecer mais sobre o Sincro eCG.

Ourofino Saúde Animal

Sexta-feira, 10 de Fevereiro de 2017

Que bom que ajudamos, Bruno! Obrigado por acompanhar o nosso blog.

Deixe o seu comentário

Confira outros posts

Impactos das endometrites na eficiência reprodutiva de vacas leiteiras

Infecções uterinas como metrites e endometrites são responsáveis por importantes reduções na rentabilidade dos rebanhos leiteiros. Essas enfermidades acarretam reflexos reprodutivos e produtivos, podendo promover aumento no intervalo entre partos, número de serviços por ...

Confira
Ourofino Saúde Animal

Protocolo P4-14: o 4º manejo que promove resultados

A inseminação artificial em tempo fixo (IATF) é uma das principais biotecnologias da reprodução atualmente associadas aos programas de manejo reprodutivo das propriedades brasileiras. Estima-se que a quantidade total de protocolos para IATF comercializada no Brasil no ano de ...

Confira
Ourofino Saúde Animal

Indução de parto versus qualidade da leitegada ao nascimento

            O parto é uma fase crucial para o sucesso na produção de suínos, pois as perdas comprometem a lucratividade do plantel. A natimortalidade e a morte dos leitões nos primeiros dias de vida geram sérios problemas de ...

Confira
Ourofino Saúde Animal
Carregar mais posts