05 mar 2018

Doenças respiratórias provocam prejuízos para pecuária

Atualmente o Brasil possui o maior rebanho comercial do mundo, com aproximadamente 198 milhões de bovinos. Apesar dessa grande dimensão, a pecuária brasileira de corte e leite ainda apresenta baixa eficiência. Portanto, é imprescindível a intensificação dos sistemas de produção para maximizar os resultados nas propriedades.

Nesse contexto, os sistemas de produção intensivos vêm crescendo em todo o território brasileiro. No entanto, situações de estresse como alterações climáticas, alta taxa de lotação e mudanças abruptas no sistema de criação podem comprometer a imunidade dos animais. Assim, os mecanismos de defesa do trato respiratório ficam comprometidos, o que favorece a proliferação de agentes patogênicos e o estabelecimento de enfermidades respiratórias.

Na pecuária de corte, as doenças respiratórias ocorrem principalmente nas primeiras três semanas após o início do confinamento. Já na pecuária leiteira, essas enfermidades podem acometer todas as fases de criação e produção. Diante disso, grandes prejuízos econômicos são atribuídos à redução no desempenho produtivo e aos altos custos com tratamentos dos animais acometidos.

As doenças respiratórias observadas nos bovinos são causadas por vírus, bactérias ou por uma combinação de desses agentes. Em condições normais, o sistema respiratório impede a entrada de agentes lesivos ou os removem. Porém, fatores ambientais predisponentes como alta taxa de lotação, poeira e ventilação inadequada funcionam como agentes depressores do sistema imune e simultaneamente, podem propiciar à propagação de agentes patogênicos entre os animais.

A cura microbiológica depende da severidade da infecção e do agente envolvido. Nos casos mais avançados pode ocorrer até mesmo comprometimento permanente do sistema respiratório. O animal pode sobreviver, mas terá o desempenho prejudicado devido à redução da capacidade respiratória. Dessa forma, a eficiência do tratamento está diretamente associada à agilidade na identificação de indivíduos doentes e na escolha da terapia antimicrobiana mais efetiva.

Antimicrobianos de alta potência e que tenham facilidade para entrar no sistema respiratório devem ser os escolhidos para o tratamento. Também é importante fazer associação com anti-inflamatório para que o animal possa voltar a produzir mais rapidamente. Pensando nisso, a Ourofino tem o protocolo de tratamento ideal utilizando Resolutor® e Maxicam 2%.

Para outras informações, ligue 0800 941 2000 para conversar com o departamento Técnico da Ourofino Saúde Animal ou acesse www.ourofinosaudeanimal.com. Conheça também os vídeos do Ourofino em Campo em nosso canal no YouTube.

 

Bruna Martins Guerreiro

Especialista técnica em Saúde Animal

Tags