Sexta-feira, 01 de Dezembro de 2017

Carrapato: prejuízo para a pecuária leiteira

Especialista técnico da Ourofino Saúde Animal orienta sobre como evitar infestação e manter o rebanho produtivo

Diversos fatores podem interferir na produtividade da pecuária de leite, entre eles mastite, infecções de casco, problemas reprodutivos e desafios nutricionais. Porém, nos rebanhos criados a pasto, as infestações por carrapatos se destacam por causa dos prejuízos significativos: redução de até 90 litros de leite numa lactação de 300 dias de uma vaca.

“Num cenário fictício, calculando o prejuízo financeiro com base no preço médio do leite a R$1,17 (IBGE 2016), a perda por animal seria de R$105,30”, contextualiza Marcel Onizuka, especialista técnico da Ourofino Saúde Animal. “Ou seja, no rebanho em que não há um bom controle de carrapato e 100 vacas entram em lactação, o produtor pode deixar de ganhar R$10.530 ao ano, aproximadamente”.

O carrapato ocasiona esse grande prejuízo principalmente pelo estresse que causa, pois além das picadas doloridas e do incômodo aos animais, também tem a capacidade de transmitir doenças como o complexo babesiose-anaplasmose, popularmente conhecido por Tristeza Parasitária Bovina. “Os níveis das infestações estão relacionados a três fatores principais: taxa de lotação; temperatura versus umidade; e raça dos animais”, completa Onizuka.

O profissional orienta ainda que essas condições agem diretamente na produtividade do rebanho. “Quanto maior a taxa de lotação, maior é o desafio. Ainda, as infestações aumentam quando a temperatura média está em 27ºC e a umidade igual ou maior a 70%. E os animais taurinos são mais suscetíveis do que os zebuínos”, diz.

Para conseguir obter um bom controle dessas infestações, é necessário que os tratamentos se iniciem na primeira geração de carrapatos, na primavera. “Primordialmente quando estão em fase de larva, porque essa é a forma mais sensível aos tratamentos”, pontua o especialista técnico da Ourofino.

Também segundo Onizuka, os cuidados devem ser redobrados com as vacas em lactação, já que o período de carência deve ser respeitado para garantir a segurança alimentar das pessoas que consumirão o leite e seus derivados. “Um dos produtos mais eficazes contra os carrapatos é o Colosso FC30, com 15% de cipermetrina, 30% de clorpirifós e 15% fenthion. É um carrapaticida que deve ser diluído na proporção 1:800 e pulverizado nos animais, ele tem período de carência para leite de apenas 72 horas”, destaca.

O tratamento preventivo traz níveis excelentes de produtividade sustentável. A eficiência da fazenda é determinante para o produtor se manter sólido no mercado, prova disso é que, em relação aos números de 2015, os índices do rebanho de vacas ordenhadas em 2016 sofreram uma retração de 6,8%, e os números de produtividade reduziram 2,9%, porém o preço médio pago por litro de leite aumentou 15,2%. Resultado de um manejo correto, assegurando a qualidade do produto final.

Carrapato: prejuízo para a pecuária leiteira

Compartilhe esta notícia:

Confira outras Notícias