08 nov 2018

Como melhorar a saúde intestinal e a digestibilidade em bovinos de corte?

Nas últimas décadas, evoluções nas áreas de melhoramento genético, nutrição e manejo possibilitaram a obtenção de bovinos altamente produtivos para produção de carne. Para alcançar altos níveis de produção, os animais precisam ter a capacidade de ingerir grandes quantidades de energia todos os dias. Diante deste cenário, aumenta o risco de doenças metabólicas, como é o caso da acidose.

A acidose consiste em um distúrbio digestivo em ruminantes que normalmente ingerem grandes quantidades de grãos de carboidratos ricos em energia e apresentam um desequilíbrio entre a produção de ácidos graxos de cadeia curta, além da remoção destes pelo epitélio ruminal. A enfermidade pode se manifestar de forma clínica e subclínica. Na forma subclínica não são vistos sinais evidentes da doença no animal, mas podem ocorrer lesões no epitélio ruminal, no intestinal, no tecido hepático e nos cascos, além de redução da imunidade do animal. Já na forma aguda, além das lesões citadas, sinais clínicos são perceptíveis como redução no consumo de alimentos, dor abdominal, movimentos ruminais reduzidos, desidratação, decúbito e até morte.

Mesmo os animais não apresentando sinais característicos, o sistema digestivo pode sofrer com algum grau de acidose que pode ir de leve até grave. Isto pode causar grandes perdas de digestibilidade dos nutrientes e no desempenho animal. O produtor tem como consequência perda em eficiência produtiva, gerando enormes prejuízos econômicos.

Uma das formas de avaliarmos a digestibilidade da dieta consumida pelos animais é por meio da análise das fezes. As fezes são o resultado do que não foi digerido, portanto não aproveitado pelo animal. Nesta análise também podemos observar possíveis sinais de indigestão, acidose, inflamação do trato digestivo etc.

Uma das alternativas para avaliarmos a digestibilidade pelas fezes é por meio da utilização de peneiras especificas para essa finalidade. Na porcentagem de partículas dos alimentos não digeridos em cada uma das peneiras é possível determinar a eficiência de utilização dos nutrientes da dieta pelos animais avaliados.

Peneira para lavagem de fezes e avaliação da digestibilidade da dieta

 

Diante dos prejuízos da acidose para a saúde do animal, digestibilidade e consequente redução nas produções de leite e de carne, é importante ter alternativas que melhorem as saúdes do rúmen e do intestino, e reduzam os riscos das lesões causadas por esta enfermidade.

O Probios Precise é uma associação exclusiva de probióticos de última geração. O produto contém bactérias e leveduras que melhoram a saúde ruminal e a saúde intestinal dos animais, contribuindo para digestibilidade dos nutrientes.

Num experimento realizado em abril de 2018 para avaliação da eficiência do Probios Precise na melhoria da saúde ruminal, saúde intestinal e digestibilidade foram utilizados 16 machos. Os animais foram acompanhados por meio da utilização das peneiras desde a entrada do confinamento até o abate. Os resultados mostraram redução da inflamação intestinal representada pela redução de presença de muco nas fezes, redução na variação dos escores de fezes que normalmente estão associados a oscilações de consumo devido à acidose e melhoria na digestibilidade dos nutrientes em 18%.

 

Avaliação 18/04/2018 – análise das fezes dos animais na entrada do confinamento antes da utilização do Probios Precise.

Avaliação 06/06/2017 – análise das fezes dos animais após 48 dias do início da utilização do Probios Precise na dieta na dose de dois gramas por animal por dia

Na avaliação do dia 06/06/2018 observamos melhora na digestibilidade devido à redução do resíduo total nas peneiras. A redução foi de 66 gramas para 54 gramas, 18% de melhora de aproveitamento.

Janielen da Silva

Analista técnica em saúde animal na Ourofino Saúde Animal

Tags


Deixe o seu comentário